Páginas

terça-feira, 29 de maio de 2012

A LUZ DA LUA É A LUZ DO SOL (Angela Guilhermina de Almeida Beirão)



O homem desconhece a si mesmo, sua natureza e suas necessidades, sendo o grande causador do próprio sofrimento.

Conviver consigo mesmo é tão ou mais difícil do que viver com os outros.

Quanto o homem sabe a seu respeito? Como compreender o outro se não compreende a si próprio? 

E enquanto não empreender a jornada do auto-conhecimento, o homem se sentirá desamparado, desorientado, imaturo. O auto-conhecimento pode levá-lo à iluminação interior e a falta dele, à escuridão da alma. 

Para conhecer a própria essência o homem necessita tanto da espiritualidade quanto a Lua necessita do sol para brilhar. 

O verdadeiro caminho da espiritualidade começa quando nossa prática supera a teoria. 

Isto significa vivenciá-la infinitamente mais do que falar sobre ela, incorporando-a as ações diárias.
A espiritualidade é uma dimensão da pessoa humana que se traduz através de seus atos, seu estilo de vida, sempre buscando transcender a realidade na qual está mergulhada por sentir-se maior que tudo o que a cerca. É receber a luz divina e então compartilhá-la, através de sua verdadeira natureza.

Espiritualidade é um estado de consciência, de reconhecimento, de humildade, percebendo o pulsar da vida dentro de si e em tudo e todos indistintamente. 

A consciência emerge livre dos condicionamentos mentais para ser o que é: luz e sabedoria.

Este estado de consciência se manifesta conforme nos despimos dos conceitos e dogmas, trilhando o caminho da verdade. Alcançado esse estado de consciência, através da introspecção, o ser humano viverá com expansividade e mestria sobre a sua realidade e a realidade exterior, alinhado com a vasta inteligência que governa todo o Cosmos.

Ao olharmos para o céu comungamos com o Criador, sentimos sua força e sua grandiosidade. Observar a imensidão azul, a Lua e as estrelas é observar a nós mesmos: nas mudanças das estações, na inter-relação entre os planetas e em todo o esplendor universal. 

A Lua e o Homem têm similitudes sutis. Passa por diversas fases, evolui e brilha. Ela não tem luz própria, mas ao recebê-la do sol, imediatamente a reflete. 

A luz da lua é a luz do sol.

O homem também tem necessidade de manifestar a Luz tanto quanto a Lua. Para isso ele precisa desenvolver um coração humilde e grandioso e reconhecer que seus feitos são resultados de sua conexão com a inteligência divina.

O caminhar humano é direcionado pela luz e para a luz. 

É um caminho a ser descoberto por cada um ligando o céu e a terra, em uma sintonia de amor.
O homem estará no caminho certo quando, por amor ao credo que professa, puder amar o credo do seu irmão.

A essência divina habita os corações, não os templos e igrejas e é dentro deles que existe um universo de paz. 

Caminhe em direção ao sol, e então, as sombras ficarão para trás, porque se der as costas à luz nada mais verá a não ser sua própria sombra.  

Deus nos concede o avanço espiritual a passos lentos, para que a intensidade da luz não ofusque nossa visão...

Não podemos ser o próprio Sol, mas podemos ser como a Lua que brilha refletindo a luz que recebe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário